200 dias: calor

Faz 200 dias que começou, ao menos por aqui. Muitas coisas aconteceram desde o último relato, há longínquos 45 dias. Nosso quadro político mudou, entrando numa fase de silêncio quase aterradora; a maioria das pessoas desistiu de seguir o distanciamento físico, seja pela crescente descrença na ciência cultivada por meses ou pelo esgotamento físico e mental somados ao longo de semanas voluntariamente presos em casa. A situação pode ser acompanhada em diversos portais governamentais, embora outros locais forneçam informações mais confiáveis. A meu ver, o pior foi a sucessão de tragédias ambientais sofridas.

Começando ano passado, e atingindo um novo pico (no qual ainda custo a acreditar) no último mês, o desmatamento chegou a proporções monstruosas. As perdas não são mais medidas em hectares, mas em porcentagem de área de cobertura do bioma. E segue, desenfreado. O pior: as consequências já podem ser sentidas. Poderia gastar páginas e mais páginas descrevendo o funcionamento dos biomas brasileiros, do balanço hídrico, das correntes atmosféricas e da distribuição de chuvas pela América do Sul, e de tantos outros assuntos relacionados. Ao invés disso, deixarei duas figuras, retiradas do site Clima Tempo na data de hoje; elas falam mais sobre o desastre ambiental que qualquer exposição acadêmica.

Temperaturas esperadas para o Brasil em 2 de Outubro de 2020. Fonte: site Clima Tempo.
Distribuição de chuvas esperada para o Brasil em 2 de Outubro de 2020. Fonte: site Clima Tempo.

Qual a resposta a isso até agora? Um discurso mentiroso, fraudulento e escrito com a mais profunda má-fé proferido na reunião das Nações Unidas. Das ações governamentais, apenas uma: repetidas tentativas de eliminar legislações de proteção ambiental. “Aproveitar para passar a boiada,” como disse o atual ministro. E para que passem, está sendo retirada a floresta e tudo mais que estiver pela frente.

No momento, eu temo pelo futuro. Sei que isso acabará, eventualmente. Somos uma espécie engenhosa, e conseguiremos reconstruir muitas das coisas que vem sendo destruídas. Talvez sejam necessárias décadas, senão mais, mas acredito no potencial reparador da ciência. O que me assusta é como sairemos disso; qual será nosso estado ao final de tanta tortura?

--

--

--

Makes things up and eventually writes them. Likes to talk about rocks in space.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Hely Branco

Hely Branco

Makes things up and eventually writes them. Likes to talk about rocks in space.

More from Medium

Quick Guide to Every Hero In Art of War: Legions

Don’t Know Much About History

The one with the Awards, Malmö 4-eva & our EMBA student

Those roads held secrets…